Database release:
SDF
NATURA 2000 - STANDARD DATA FORM

For Special Protection Areas (SPA),
Proposed Sites for Community Importance (pSCI),
Sites of Community Importance (SCI) and
for Special Areas of Conservation (SAC)

TABLE OF CONTENTS

1. SITE IDENTIFICATION

Back to top

1.1 Type

A

1.2 Site code

PTZPE0033

1.3 Site name

Pico da Vara / Ribeira do Guilherme - Ilha de S. Miguel

1.4 First Compilation date

1999-03

1.5 Update date

2015-11

1.6 Respondent:

Name/Organisation:- Direção Regional do Ambiente;
Address:               
Email:- Direção Regional do Ambiente: info.dra@azores.gov.pt

1.7 Site indication and designation / classification dates

Date site classified as SPA:1990-03
National legal reference of SPA designationDecreto Regulamentar Regional n.o 24/2004/A, de 1 de Julho, alterado pelo Decreto Regulamentar Regional n.o 9/2005/A, de 19 de Abril

2. SITE LOCATION

Back to top

2.1 Site-centre location [decimal degrees]:

Longitude:-25.250000
Latitude:37.800000

2.2 Area [ha]

6067.2800

2.3 Marine area [%]

0.0000

2.4 Sitelength [km]:

0.00

2.5 Administrative region code and name

NUTS level 2 code Region Name
PT20Região Autónoma dos Açores

2.6 Biogeographical Region(s)

Macaronesian (100.00 %)

3. ECOLOGICAL INFORMATION

Back to top

3.1 Habitat types present on the site and assessment for them

Annex I Habitat types Site assessment
Code PF NP Cover [ha] Cave [number] Data quality A|B|C|D A|B|C
      RepresentativityRelative SurfaceConservationGlobal
4050  info      619.937  0.00 
6180  info      359.057  0.00 
7120  info      16  0.00 
7130  info      169.031  0.00 
91D0  info      82.0148  0.00 
9360  info      260.043  0.00 
  • PF: for the habitat types that can have a non-priority as well as a priority form (6210, 7130, 9430) enter "X" in the column PF to indicate the priority form.
  • NP: in case that a habitat type no longer exists in the site enter: x (optional)
  • Cover: decimal values can be entered
  • Caves: for habitat types 8310, 8330 (caves) enter the number of caves if estimated surface is not available.
  • Data quality: G = 'Good' (e.g. based on surveys); M = 'Moderate' (e.g. based on partial data with some extrapolation); P = 'Poor' (e.g. rough estimation)

3.2 Species referred to in Article 4 of Directive 2009/147/EC and listed in Annex II of Directive 92/43/EEC and site evaluation for them

Species Population in the site Site assessment
G Code Scientific Name S NP T Size Unit Cat. D.qual. A|B|C|D A|B|C
      MinMax  Pop.Con.Iso.Glo.
BA052Anas crecca                 
P1439Arceuthobium azoricum    2000  5000 
BA010Calonectris diomedea                 
P1609Chaerophyllum azoricum          DD 
BA421Columba palumbus azorica    520  520   
P1420Culcita macrocarpa    10000  25000 
P1624Erica scoparia ssp. azorica    30000  50000 
P1580Frangula azorica          DD 
BA153Gallinago gallinago                 
BA153Gallinago gallinago                 
BA369Loxia curvirostra                 
BA152Lymnocryptes minimus                 
P1653Picconia azorica          DD 
BA375Plectrophenax nivalis                 
P1540Prunus lusitanica ssp. azorica    40  100 
BA453Pyrrhula murina    1300  1300   
P1442Rumex azoricus          DD 
P1421Trichomanes speciosum          DD 
P1426Woodwardia radicans    80000  100000 
  • Group: A = Amphibians, B = Birds, F = Fish, I = Invertebrates, M = Mammals, P = Plants, R = Reptiles
  • S: in case that the data on species are sensitive and therefore have to be blocked for any public access enter: yes
  • NP: in case that a species is no longer present in the site enter: x (optional)
  • Type: p = permanent, r = reproducing, c = concentration, w = wintering (for plant and non-migratory species use permanent)
  • Unit: i = individuals, p = pairs or other units according to the Standard list of population units and codes in accordance with Article 12 and 17 reporting (see reference portal)
  • Abundance categories (Cat.): C = common, R = rare, V = very rare, P = present - to fill if data are deficient (DD) or in addition to population size information
  • Data quality: G = 'Good' (e.g. based on surveys); M = 'Moderate' (e.g. based on partial data with some extrapolation); P = 'Poor' (e.g. rough estimation); VP = 'Very poor' (use this category only, if not even a rough estimation of the population size can be made, in this case the fields for population size can remain empty, but the field "Abundance categories" has to be filled in)

3.3 Other important species of flora and fauna (optional)

Species

Population in the site

Motivation

Group CODE Scientific Name S NP Size Unit Cat. Species Annex Other categories
     MinMax C|R|V|PIVVABCD
A028Ardea cinerea                   
A221Asio otus                   
Bellis azorica                 
Blechnum spicant                   
A087Buteo buteo                 
A364Carduelis carduelis                   
A363Carduelis chloris                   
Carex viridula ssp. cedercreutzii                   
Carex vulcani                   
Cladonia spp. (subgenus cladina)                       
A206Columba livia                   
A113Coturnix coturnix                   
Dryopteris azorica                   
A269Erithacus rubecula                   
A568Estrilda astrild                   
Festuca francoi                   
A657Fringilla coelebs all others                 
Hedera azorica                   
Holcus rigidus                   
Hypericum foliosum                   
Ilex azorica                 
Juncus effusus                   
Juniperus brevifolia                 
A604Larus michahellis                 
Laurus azorica                 
Leontodon rigens                   
1400Leucobryum glaucum                       
Luzula purpureosplendens                   
Lycopodium spp.                       
Lysimachia azorica                   
Morella faya                   
A261Motacilla cinerea                 
Myrsine retusa                   
A277Oenanthe oenanthe                   
Osmunda regalis                   
A354Passer domesticus                   
Polytrichum commune                   
Potentilla anglica                   
Potentilla erecta                   
Pteris incompleta                   
A651Regulus regulus azoricus                 
Rubus hochstetterorum                   
A155Scolopax rusticola                   
A450Serinus canaria                   
Smilax azorica                   
1409Sphagnum spp.                     
A209Streptopelia decaocto                   
A351Sturnus vulgaris                   
A311Sylvia atricapilla                 
Tolpis azorica                   
A283Turdus merula                 
A284Turdus pilaris                   
A282Turdus torquatus                   
A282Turdus torquatus                 
Vaccinium cylindraceum                 
Viburnum treleasei                 
  • Group: A = Amphibians, B = Birds, F = Fish, Fu = Fungi, I = Invertebrates, L = Lichens, M = Mammals, P = Plants, R = Reptiles
  • CODE: for Birds, Annex IV and V species the code as provided in the reference portal should be used in addition to the scientific name
  • S: in case that the data on species are sensitive and therefore have to be blocked for any public access enter: yes
  • NP: in case that a species is no longer present in the site enter: x (optional)
  • Unit: i = individuals, p = pairs or other units according to the standard list of population units and codes in accordance with Article 12 and 17 reporting, (see reference portal)
  • Cat.: Abundance categories: C = common, R = rare, V = very rare, P = present
  • Motivation categories: IV, V: Annex Species (Habitats Directive), A: National Red List data; B: Endemics; C: International Conventions; D: other reasons

4. SITE DESCRIPTION

Back to top

4.1 General site character

Habitat class % Cover
N1730.00
N1010.00
N065.00
N215.00
N1830.00
N231.00
N2010.00
N224.00
N155.00

Total Habitat Cover

100

Other Site Characteristics

Esta ZPE abrange uma extensa zona interior da região leste da Ilha de São Miguel. É uma zona montanhosa (400-500m) com manchas densas de vegetação natural, apresentando um relevo acidentado com diversas linhas de água e diversos abatimentos de terras. Apresenta um importante povoamento florestal de Cryptomeria japonica, verificando-se uma forte invasão por espécies exóticas em áreas que eram utilizadas na agricultura e silvicultura e que entretanto foram abandonadas. Esta invasão é igualmente preocupante nos habitats naturais.

4.2 Quality and importance

Esta ZPE abrange a maior mancha de vegetação natural da ilha de São Miguel e é uma das últimas grandes manchas de habitats endémicos que ainda resistem à pressão humana e que ainda podem ser encontrados nos Açores. A preservação destes habitats reveste-se de grande importância tanto mais que dentro da região biogeográfica da Macaronésia, os Açores dado o seu isolamento geográfico, a sua criação recente em termos geológicos, o seu clima e as condições atlânticas permitem a criação de características insulares muito profundas e distintas. Estes fatores levaram a que o arquipélago apresente uma diversidade de espécies de fauna e de flora terrestre relativamente pobre e com uma baixa percentagem de endemismos quando comparado com os outros arquipélagos Macaronésicos da Madeira e das Canárias. No entanto, pouca diversidade não é equivalente a um baixo interesse do ponto de vista da conservação, já que nos Açores ocorre um conjunto de espécies e habitats únicos. A nível local a altitude surge como o principal fator condicionador do tipo de flora e vegetação devido à pressão dos fatores climáticos, definindo-se o conceito de andares bioclimáticos e/ou andaresde vegetação. Estes andares estão bem constituídos em habitats de Floresta de Laurissilva (Laurissilva húmida e hiper-húmida), Matos Macaronésicos endémicos, Turfeira Activas de altitude e prados Orófilos Macaronésicos, todos estes são habitats prioritários classificados pela Directiva Habitats (92/43/CEE). Contudo, neste local encontram-se áreas significativas de plantações de Cryptomeria japonica e outras já totalmente ocupadas por espécies exóticas invasoras. Afloresta de Laurissilva é o habitat com mais estrutura e com mais riqueza em termos de flora e fauna. Aqui podem ser encontrados diversos endemismos como o Laurus azorica, Frangula azorica, Ilex azorica, Vaccinium cylindraceum, Juniperus brevifolia ou o Prunus azorica, esta última uma das árvores mais raras dos Açores sendo conhecidos apenas algumascentenas de indivíduos. Importa também referir a importância estrutural para este habitat, especialmente ao nível dasmanchas florestais de média e baixa altitude, de espécies como a Morella faia e a Myrsine retusa, espécie nativa da Macaronésia e endémica dos Açores, respetivamente. No subcoberto destas florestas Laurissilvas, dado o seu grau de ensombramento e alto nível de humidade, podem ser encontrados diversos fetos como Woodwardia radicans, Culcita macrocarpa, Pteris incompleta e Osmunda regalis. As folhas e esporos destas espécies fazem parte da dieta alimentar do Priolo (Pyrrhula murina) passeriforme único deste local, classificado desde 2010 como “Em perigo” (revisto de "Criticamente em Perigo") pela UICN, prioritário em termos de conservação pelo Anexo A-1da directiva Aves, sendo o comportamento único desta ave designado por "fernstripping". O Priolo apresenta uma dieta alimentar muito diversificada da qual fazem parte flores, folhas, frutos e sementes de árvores feto e herbáceas como a Potentilla erecta e a Potentilla anglica, para além de serem espécies nativas da Macaronésia e de serem facilmente encontradas nesta área, especialmente em locais abertos húmidos e ao longo das estradas. As turfeiras activas denominadas por Sphagnum sp. Polytrichum sp. são umdos habitats mais raros em todo o mundo, revestindo-se de grande importância a área do Planalto dos Graminhais. Esta área foi alvo num passado recente de tentativas de drenagem e de criação de pastagens para gado. Actualmente, estas áreas não têm utilidade produtiva devido à sua pouca viabilidade económica dada a sua composição florística não ser adequada e haver uma forte tendência do micro relevo local para a estrutura de hummocks e de hollows. O seu abandono tem permitido a recuperação gradual da turfeira, sendo estas áreas actualmente classificadas como turfeiras altas degradadas. No futuro, com as medidas de proteção que entraram em vigor e com os trabalhos de recuperação que estão programados, prevê-se que a maioria desta área passe para Turfeiras Altas Activas e para Turfeiras Florestadas de Juniperussp.

4.3 Threats, pressures and activities with impacts on the site

The most important impacts and activities with high effect on the site

Negative Impacts
RankThreats and pressures [code]Pollution (optional) [code]inside/outside [i|o|b]
LA04.01.01o
LA04.02.01i
LB01.02o
LB02.01.02i
MB03i
MC01.03i
LD01.01i
LD01.02o
MF03.01.01b
LG01.02b
LG01.03b
HI01b
LJ02.05.01i
LJ02.05.02i
LJ02.06i
MJ03.02b
MJ03.03b
MK01.01i
MK04.05i
ML05b
ML08o
Positive Impacts
RankActivities, management [code]Pollution (optional) [code]inside/outside [i|o|b]
LA04.03i
MB02.01.01i
MG03o

Rank: H = high, M = medium, L = low
Pollution: N = Nitrogen input, P = Phosphor/Phosphate input, A = Acid input/acidification,
T = toxic inorganic chemicals, O = toxic organic chemicals, X = Mixed pollutions
i = inside, o = outside, b = both

4.5 Documentation

1. Bannerman, D.A., Bannerman, W.M., 1966.- Birds of the Atlantic Islands, Vol.III. A history of the birds of the Azores. 2. Oliver E Boyd, Edinburgh. Borges P A V, Cunha R, Gabriel R, Martins A F, Silva L, Vieira V (2005). A list of the terrestrial fauna (Mollusca and Arthropoda) and flora (Bryophyta, Pteridophyla and Spermatophyta) from the Azores. Direcção Regional do Ambiente e Universidade dos Açores, Horta, Angra do Heroísmo e Ponta Delgada, 317pp. 3. Borges, P.A.V., Costa, A., Cunha, R., Gabriel, R., Gonçalves, V., Martins, A.F., Melo, I., Parente, M., Raposeiro, P., Rodrigues, P., Santos, R.S., Silva, L., Vieira, V. (Eds.) (2010). A list of the terrestrial and marine biota from Azores. Princípia, Cascais, 432 pp. 4. Cabral M J (Coord), Almeida J, Almeida P R, Dellinger T, Fernando de Almeida N, Oliveira M E, Palmeirim J M, Queiroz A L, Rogado L, Santos Reis M (2005). Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal. Instituto daConservação da Natureza, Lisboa. 5. Ceia R (2006). 1º Censo de Pombo-torcaz na área da ZPE. SPEA, Lisboa. 6. Esquível J, Hernández M, Borges P, Faria B (2008). TOP 100 As cem espécies ameaçadas prioritárias em termos de gestão na regiãoeuropeia biogeográfica da Macaronésia. ARENA, Governo Regional dos Açores. 500 pp. 7. DIAS, E. (1996). Vegetação Natural dos Açores - Ecologia e Sintaxonomia das florestas Naturais. Tese de doutoramento. Universidade dos Açores. Departamento de Ciências Agrárias. Angra do Heroísmo.; 8. DIAS, E., PEREIRA, D., MEDEIROS, V., MENDES, J. & ELIAS, R. (2007).Distribuição das principais manchas florestais - Açores. In: J. S. SILVA. (ed.). Árvores e Florestas de Portugal – Açores e Madeira. A floresta das ilhas. Público. Lisboa. 9. Gil A (2005). Plano de Gestão da Zona de Protecção Especial da Serra da Tronqueira / Ribeira do Guilherme. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves, Lisboa. 10. Le Grand G (1983). Cheklist of Birds of the Azores. Arquipélago IV, pp 49-58. Universidade dos Açores. 11. Monteiro LR, Ramos J.A, Furnen RW (1996). Past and Present Status and Conservation of the seabirds breeding in the Azores archipelago. Biological Conservation 78: 319-328. 12. Ramos J (1995). The diet of the Azores Bullfinch Pyrrhula murina and floristic variation within its range. Biological Conservation nº 71. pp 237-249, Great Britain. 13. Shäfer H (2005). Flora of the Azores - A Field Guide. Second Enlarged Edition. Margraf Publishers, Alemanha. 346 pp. 14. Silva J S (Coord edit), FerreiroA, Machado I (Coord exe) (2007). Açores e madeira a floresta dos Açores. Árvores e florestas de Portugal vol 6. Público e FLED, Lisboa, 362 pp. 15. Silva L, Ojeda Land E, Rodrigues Luengo J L (2008). Flora e fauna terrestre Invasora na Macaronésia. Top 100 nos Açores, Madeira e Canárias. ARENA, Ponta Delgada, 546 pp. 16. Sjogren, E. 1973. "Recent changes in the vascular flora and vegetation of the Azores islands". Mem. Soc. Botan. 22: 1-453.

5. SITE PROTECTION STATUS

Back to top

5.1 Designation types at national and regional level:

Code Cover [%]
PT0713.00
PT1586.00

5.2 Relation of the described site with other sites:

Designated at national or regional level:

Type code Site name Type Cover [%]
PT15Tronqueira e Planalto dos Graminhais*86.00
PT07Pico da Vara+13.00

Designated at international level:

Type Site name Type Cover [%]
ramsarComplexo Vulcânico das Furnas*0.30
otherIBA do Pico da Vara-100.00

5.3 Site designation (optional)

32.0% da ZPE é abrangida pelo SIC Serra da Tronqueira/Planalto dos Graminhais

6. SITE MANAGEMENT

Back to top

6.1 Body(ies) responsible for the site management:

Organisation:- Direção Regional do Ambiente-Secretaria Regional da Agricultura e Ambiente
Address:
Email:- Direção Regional Ambiente: info.dra@azores.gov.pt

6.2 Management Plan(s):

An actual management plan does exist:

X
Yes Name: Programa de Execução das ações relativas à Reserva Natural do Pico da Vara e à Área Protegida para a Gestão de Habitats ou Espécies da Tronqueira e Planalto dos Graminhais
Link: http://www.azores.gov.pt/JO/Serie+II/2014/S%C3%A9rie+II+N%C2%BA+171+de+5+de+Setembro+de+2014/Portaria+N%C2%BA+1080+de+2014.htm

No, but in preparation
No

6.3 Conservation measures (optional)

Medidas ativas no âmbito do Plano de Gestão da Zona de Protecção Especial do Pico da Vara / Ribeira do Guilherme e projetos Life Recuperação do Habitat do Priôlo na ZPE Pico da Vara/ Ribeira do Guilherme: - Recuperação ecológica dos habitats prioritários através de ações de controlo de flora exótica invasora e reflorestação com flora nativa e endémica produzida em viveiro; - Implementação de metodologias anuais de monitorização de habitats, vegetação e eficácia das ações de recuperação implementadas; - Implementação de esquemas anuais de monitorização da população de priolo; - Implementação de ações demonstrativas para promoção da utilização de flora nativa em áreas naturais e urbanas (pomares de uva da serra, uso ornamental de espécies de flora nativa, estabilização de derrocadas e taludes com técnicas biofisicas e vegetação nativa, etc) - Implementação de programas anuais de atividades para a população em geral e para a população escolar; - Promoção e divulgação dos valores naturais do território com destaque para a promoção do turismo sustentável nas Terras do Priolo (Nordeste e Povoação) com a implementação desde 2012 da Carta Europeia de Turismo Sustentável atribuída pela EUROPARC. Medidas legais e administrativas Plano Sectorial da Rede Natura 2000 - Decreto Legislativo Regional n.º 20/2006/A, de 6 de junho, alterado pela Declaração de Retificação n.º 48-A/2006, de 7 de agosto, e pelo Decreto Legislativo Regional n.º 7/2007/A, de 10 de abril; Regime jurídico da conservação da natureza e da biodiversidade estabelecido pelo Decreto Legislativo Regional nº 15/2012/A, de 2 de abril; Decreto Legislativo Regional n.º 19/2008/A, de 8 de julho, que cria o Parque Natural da Ilha de São Miguel; Portaria nº 1530/2012 de 10 de outubro de 2012 que aprova o plano de ação para a conservação das áreas terrestres de São Miguel; Portaria nº 1080/2014 de 5 de setembro de 2014 que aprova o programa de execução das ações relativas à Reserva Natural do Pico da Vara e à Área Protegida para a Gestão de Habitats ou Espécies da Tronqueira e Planalto dos Graminhais; - Condicionantes à prática de atividade cinegética; - Condicionantes à colheita, corte, abate, captura ou detenção de exemplares de quaisquer espécies vegetais ou animais, em qualquer fase do seu ciclo biológico, sujeitos a medidas de proteção, incluindo a destruição de ninhos e a apanha de ovos, a perturbação ou a destruição dos seus habitats; - Condicionantes à introdução de espécies zoológicas e botânicas invasoras ou não características das formações e associações naturais existentes, nomeadamente plantas e animais exóticos; - Condicionantes ao combate, por qualquer modo, a espécies infestantes e pragas; - Condicionantes à exploração e extração de massas minerais e a instalação de novas explorações de recursos geológicos; - Condicionantes à prática de campismo ou caravanismo; - Condicionantes ao depósito de resíduos; - Condicionantes à instalação ou construção de infraestruturas; - Condicionantes à construção de novas vias de comunicação ou acessos bem como o alargamento das existentes; - Condicionantes à mobilização do solo, à alteração à morfologia e ao uso do solo; - Condicionantes à alteração do coberto vegetal; - Condicionantes às intervenções nas linhas de água; - Condicionantes à reintrodução de espécies de flora indígena; - Condicionantes à realização de trabalhos de investigação e divulgação científica, ações de monitorização, recuperação e sensibilização ambiental; - Condicionantes à instalação, afixação, inscrição e pintura mural de mensagens de publicidade ou propaganda; - Condicionantes ao sobrevoo de aeronaves com motor; - Condicionantes à prática de atividades desportivas monitorizadas; - Condicionantes à circulação fora dos trilhos e caminhos estabelecidos; - Condicionantes à utilização de produtos químicos, nomeadamente herbicidas e fertilizantes químicos; - Condicionantes à realização de quaisquer atividades que perturbem o equilíbrio da envolvente. Medidas contratuais - Apoio/ Contratos no âmbito de medidas agro e silvo-ambientais para assegurar a manutenção e conservação de áreas de habitats naturais., nomeadamente: 4050 Charnecas macaronésicas endémicas, 6180 Prados mesófilos macaronésicos,7120 Turfeiras altas degradadas ainda suscetíveis de regeneração natural; 7130 Turfeiras de cobertura (turfeiras ativas) e 9360 Laurissilvas macaronésicas.

 

7. MAP OF THE SITE

Back to top
INSPIRE ID:
Map delivered as PDF in electronic format (optional)
Yes
No

SITE DISPLAY